Visit the new BJN website at: https://bjnephrology.org
Open Access Peer-Reviewed
Artigo Original

Repercussão da Hemodiálise na Função Pulmonar de Pacientes com Doença Renal Crônica Terminal

Repercussion of Hemodialysis on the Pulmonary Function of Terminal Chronic Renal Patients

Patrícia Dall Agnol Bianchi; Sergio Saldanha Menna Barreto; Fernando S. Thomé; Adriane Belló Klein.

Resumo:

Introduçao: Pacientes com doença renal desenvolvem frequentemente complicaçoes pulmonares como edema, derrame pleural e infecçao. Método: A avaliaçao respiratória deu-se através de exames de espirometria, manovacuometria, oximetria e gasometria, antes e depois de sessao de hemodiálise (HD). As variáveis espirométricas foram analisadas em percentagens de valores de referência com o objetivo de eliminar efeitos da idade, altura e sexo. Resultados e Discussao: Avaliaram-se 33 pacientes (51,5% mulheres) com média de idade 42,8 ± 14,2 anos, em tratamento no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. A capacidade vital forçada (CVF), o volume expiratório forçado no primeiro segundo (VEF1) e o pico de fluxo expiratório (PFE) apresentaram um aumento significativo após sessao de HD, o que determinou um aumento no número de espirometrias normais, passando de 12 (36,4%) para 17 (51,5%). A força muscular também apresentou aumento significativo. A oximetria permaneceu inalterada após HD, o que pode ser explicado pelos resultados da gasometria, pois, após HD, houve um aumento substancial no pH e nos níveis de bicarbonato, caracterizando quadro de alcalose metabólica. Observou-se, também, queda na pressao parcial de oxigênio e aumento na pressao parcial de dióxido de carbono, provavelmente na tentativa de restabelecer o valor do pH. Conclusoes: Mesmo sem apresentar sintomas respiratórios, pacientes renais crônicos apresentam alteraçao na funçao pulmonar que melhora após tratamento com HD.

Descritores: Uremia. Espirometria. Manovacuometria.

Abstract:

Introduction: Renal disease patients frequently develop pulmonary complications such as edema, pleural vascular accident, and infection.
Method: Respiratory evaluation was performed through spirometric exams, manovacuometry, acidimetry and gasometry before and after the hemodialysis session (HD). Spirometric variables were analysed in reference percentage values in order to eliminate the effects of age, height, and gender. Results and Discussion: A total of 33 patients were evaluated, (51.5% females) averaging 42.8 ± 14.2 years old, receiving treatment at the Clinical Hospital of Porto Alegre. Forced Vital Capacity (FVC), forced expiratory volume in the first second (FEV1) and the peak of expiratory flow (PEF) showed a significant increase after the HD session, leading to an increase in the number of normal spirometries, from 12 (36.4%) to 17 (51.5%). Muscular strength also significantly increased. Acidimetry remained unchanged after HD and this may be explained by the gasometry results, given that a significant increase in pH and bicarbonate levels was evident after HD, characterizing a metabolic alkalosis panel. We also observed a decrease in the partial oxygen pressure and an increase in the partial carbon dioxide pressure, probably due to an attempt to reestablish the pH value. Conclusions: Even without showing respiratory symptoms, chronic renal patients show alterations in pulmonary function which improve after treatment with HD.

Descriptors: Uremia. Spirometry. Manovacuometry

INTRODUÇAO

A doença renal crônica terminal representa, nao somente a falência da excreçao renal, mas também das funçoes metabólicas e endócrinas dos rins, afetando todos os órgaos do corpo. A disfunçao pulmonar em doentes renais crônicos terminais pode ser resultado direto da circulaçao de toxinas urêmicas ou pode resultar da sobrecarga de volume, anemia, imunossupressao, desequilíbrio ácido-básico e ou má nutriçao. Em contraste com outros órgaos, os pulmoes sao afetados por ambos, doença (uremia) e tratamento, HD ou diálise peritoneal ambulatorial contínua (CAPD)1.

Pacientes com doença renal aguda ou crônica, tratados ou nao com diálise, desenvolvem frequentemente complicaçoes pulmonares, como edema, derrame pleural e infecçao1. Alteraçoes mecânicas e hemodinâmicas podem ocorrer nos pulmoes de pacientes com insuficiência renal crônica. Essas mudanças podem ocorrer sem sintomas pulmonares óbvios, podendo levar a desordens pulmonares2.

Nestes pacientes, as forças pressóricas na equaçao de Starling geralmente favorecem o edema pulmonar secundário.

Pressoes hidrostáticas na circulaçao central podem estar altas em funçao do aumento do volume intravascular, doença cardíaca ou ambos. A pressao oncótica pode também estar baixa por causa da hipoproteinemia, predispondo a edema pulmonar.

Essas alteraçoes presentes nas pressoes vasculares, por si sós, podem levar à formaçao de infiltrados e edema pulmonar. Porém, a funçao pulmonar parece estar alterada na insuficiência renal crônica por diferentes mecanismos: sobrecarga de fluidos (alterando pressoes vasculares), infecçoes respiratórias, acidose, fibrose pulmonar, calcificaçoes e alteraçoes na ventilaçao/perfusao do pulmao de pacientes urêmicos 3-6 .

As complicaçoes pulmonares observadas com maior frequência em doentes renais crônicos terminais sao edema pulmonar clínico ou subclínico e derrame pleural. Porém, além dessas, observa-se também a ocorrência de fibrose pulmonar, hipertensao pulmonar e fibrose pleural2.Segundo Alves et al.7, as alteraçoes pulmonares, geralmente designadas por pulmao urêmico, caracterizam-se por edema peri-hilar bilateral e parecem estar relacionadas com aumento da volemia e com valores séricos muito altos de substâncias osmoticamente ativas.

Com o início do tratamento hemodialítico, entretanto, desaparecem rapidamente, sem deixar sequelas.

Uma das informaçoes postuladas é que o efeito HD gera um aumento da ventilaçao nas áreas basilares do pulmao, provocando uma elevaçao da capacidade vital em pacientes urêmicos com edema pulmonar. Essas mudanças sao explicadas pela diminuiçao do conteúdo de água nos pulmoes, desde que o edema intersticial seja razoavelmente pequeno, causando fechamento relativo das vias aéreas6.

Complicaçoes pulmonares sao comuns em pacientes em estágio final da doença renal. Apesar dos avanços tecnológicos com relaçao às terapias de substituiçao, permitindo prolongar a vida dos pacientes urêmicos, anormalidades como hiperemia, bronquite e fibrose intersticial sao comumente encontradas em autópsias de pacientes em hemodiálise crônica 8.

Este estudo teve como objetivo avaliar, em doentes renais crônicos terminais, a repercussao de uma sessao de HD em sua funçao pulmonar e força muscular respiratória.

MÉTODO

Seleçao de Pacientes Foram avaliados pacientes com insuficiência renal crônica terminal que realizavam hemodiálise na Unidade de Nefrologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Para realizaçao do estudo, os pacientes foram avaliados em uma sessao de hemodiálise em que nao tivesse transcorrido mais de 48 horas desde a sessao anterior.

Utilizaram-se, como critérios de exclusao, presença de doenças hepáticas, processos inflamatórios crônicos, doença cardíaca conhecida, consumo de tabaco e de álcool.

Para que os pacientes pudessem participar do estudo, era necessário que os mesmos nao possuíssem nenhuma doença pulmonar de base e que nao tivessem apresentado nenhum episódio respiratório nos últimos seis meses. Por esse motivo, foram avaliadas radiografias de tórax e história clínica dos mesmos dos seis meses anteriores ao estudo. Além disso, no dia das avaliaçoes, o paciente deveria estar sem nenhum tipo de sintoma respiratório.

Todos os pacientes foram informados dos objetivos, benefícios, riscos e da metodologia que seria aplicada para a realizaçao do trabalho. Antes das avaliaçoes, os mesmos assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. O projeto deste estudo foi avaliado e aprovado em seus aspectos éticos e metodológicos pela Comissao Científica e pela Comissao de Pesquisa e Ética em Saúde do HCPA.

Oximetria Para avaliaçao da saturaçao de oxigênio, utilizou-se um oxímetro da marca Nellcor Puritan Bennett - NPB 195.

Mensurou-se a saturaçao de O2, através de técnica espectrofotométrica, antes e depois da sessao de HD9. As medidas de saturaçao foram realizadas antes das outras avaliaçoes respiratórias, já que estas exigiam esforço dos pacientes e isso poderia interferir nos resultados. Os resultados eram apresentados em percentual no visor do aparelho.

Para mensuraçao das pressoes respiratórias máximas, utilizou-se um manovacuômetro da marca FAMABRAS, calibrado em cmH2O, com limite operacional de -300 cmH2O a +300 cmH2O. No adaptador do bocal do manovacuômetro (modelo 0001 da marca ROWAN), utilizou-se um orifício de 1,5mm de diâmetro, para gerar um discreto fluxo de ar, evitando o fechamento da glote e aumento da pressao da cavidade oral, impedindo, com isso, alteraçao dos valores obtidos.

A mensuraçao das pressoes respiratórias máximas foi realizada antes de o paciente ser conectado à máquina dialisadora e após o término da sessao de hemodiálise. Em cada tempo determinado, o paciente realizava cinco manobras de Pressao Inspiratória Máxima (PImáx) e cinco manobras de Pressao Expiratória Máxima (PEmáx), desde que a última nao fosse a maior da série e que a variabilidade entre as medidas nao excedesse a 10% com relaçao ao maior valor obtido.

Durante a realizaçao do teste, os pacientes permaneceram sentados, com as narinas ocluídas por um clipe nasal; o próprio paciente segurava firmemente o bocal contra os lábios, evitando vazamento perioral de ar10-14. A PImáx foi medida durante esforço iniciado a partir do volume residual e a PEmáx foi medida durante esforço iniciado a partir da capacidade pulmonar total. Solicitou-se aos pacientes que as pressoes fossem mantidas por três segundos15. O intervalo entre as manobras foi determinado pelos próprios pacientes, e o maior valor obtido para PImáx e para PEmáx foi o valor considerado para análise dos resultados.

Prova de Funçao Pulmonar Respiratória - Espirometria Os pacientes realizaram duas espirometrias: uma antes do início da sessao e outra após a sessao de HD.As espirometrias foram realizadas utilizando-se um espirômetro portátil modelo Pony da marca Cosmed, que fornece curvas fluxo volume e volume tempo. Os bocais utilizados eram de papel e descartáveis, da marca Xenon, com 3,5cm de diâmetro.

Realizou-se este exame através de manobras expiratórias forçadas. Solicitou-se ao paciente uma inspiraçao máxima até CPT e, imediatamente após, uma expiraçao tao rápida e intensa quanto possível. O paciente foi estimulado, durante todo o exame, a realizar esforço máximo, bem como a expirar todo o ar possível, já que isso é fundamental para a realizaçao adequada do exame.

Os exames foram realizados observando-se os critérios para espirometria de boa qualidade16. Para interpretaçao, utilizou-se a melhor curva obtida. A análise dos exames foi realizada de acordo com Pereira et al.16. Procurando eliminar os efeitos da idade, altura e sexo, utilizaram-se percentagens de valores de referência previstos em substituiçao aos valores absolutos obtidos.

As variáveis foram avaliadas em percentagens de valores previstos, eliminando, dessa forma, possíveis efeitos relacionados com altura, sexo e idade dos pacientes. Como valores de referência, utilizaram-se equaçoes preconizadas por Knudson et al.17.

Coleta Sanguínea As coletas de sangue para avaliaçao dos gases respiratórios, hemograma e medidas bioquímicas, nos pacientes em HD, foram realizadas em dois momentos distintos: no início da sessao de HD, quando os pacientes eram ligados às máquinas dialisadoras, e ao término da sessao, instantes antes de serem desligados das mesmas. As coletas foram realizadas na porçao arterial da fístula arteriovenosa.

Análise Estatística Os valores foram expressos pela média ± erro-padrao.

Comparaçoes entre as médias pré e pós HD foram feitas pelo teste t de Student pareado. Para analisar as correlaçoes entre as variáveis, utilizou-se o teste de Pearson. Foram considerados significativos os valores de p<0,05. Os dados foram analisados através do programa computacional SAS (Statistical Analysis System).

RESULTADOS

Foram avaliados 33 pacientes com insuficiência renal crônica terminal, 17 mulheres e 16 homens, com média de idade de 42,8 ± 14,3 anos. Os pacientes realizavam três sessoes semanais de HD com duraçao média de 4,2 ± 0,3 horas, utilizando para diálise membrana de acetato de celulose. A média de tratamento com HD nos pacientes estudados foi de 47,2 ± 47,7 meses.

Citam-se entre as causas da IRC nos pacientes: 45,5%, hipertensao arterial sistêmica; 15,1%, glomerulopatias; 9,1%, Diabete Melitus; 9,1%, rins policísticos; 15,1%, outras e 6,1%, causa indeterminada.

Avaliaçao da Funçao Pulmonar - Espirometria Os valores obtidos na prova de funçao pulmonar - espirometria - estao apresentados na Tabela 1. Pode ser observado que, com exceçao do fluxo médio da CVF, todas as demais variáveis avaliadas pela espirometria melhoraram significativamente após sessao de HD.



Laudos Espirométricos No diagnóstico espirográfico, a comparaçao dos valores obtidos com os valores teóricos ou previstos pode demonstrar alteraçoes no conjunto, caracterizando os distúrbios que sao classificados como obstrutivos, restritivos ou mistos, em grau incipiente, leve, moderado ou grave.

As espirometrias realizadas pelos doentes renais crônicos, antes e depois de sessao de HD, foram individualmente interpretadas, possibilitando a realizaçao de uma avaliaçao clínica da funçao pulmonar nestes indivíduos 16,18. Para melhor visualizaçao, os laudos, em percentual de classificaçao, referentes aos dados espirométricos Pré HD, estao apresentados na Figura 1, e os laudos referentes aos dados espirométricos Pós HD estao apresentados na Figura 2.


Figura 1. Classificaçao dos laudos espirométricos de doentes renais crônicos antes de uma sessao de hemodiálise (HD).
Normal, distúrbio ventilatório restritivo leve (DVRLeve), distúrbio ventilatório restritivo moderado (DVRMod), distúrbio ventilatório restritivo grave (DVRGrave), distúrbio ventilatório combinado leve (DVCLeve), distúrbio ventilatório obstrutivo incipiente (DVOInc), distúrbio ventilatório obstrutivo leve (DVOLeve), distúrbio ventilatório obstrutivo leve com capacidade vital forçada reduzida (DVOLeveCVFRed), distúrbio ventilatório obstrutivo moderado com capacidade vital forçada reduzida (DVOModCVFRed).


Figura 2. Classificaçao dos laudos espirométricos de doentes renais crônicos após uma única sessao de hemodiálise (HD).
Normal, distúrbio ventilatório restritivo leve (DVRLeve), distúrbio ventilatório restritivo moderado (DVRMod), distúrbio ventilatório restritivo grave (DVRGrave), distúrbio ventilatório combinado leve (DVCLeve), distúrbio ventilatório obstrutivo incipiente (DVOInc), distúrbio ventilatório obstrutivo leve (DVOLeve), distúrbio ventilatório obstrutivo leve com capacidade vital forçada reduzida (DVOLeveCVFRed), distúrbio ventilatório obstrutivo moderado com capacidade vital forçada reduzida (DVOModCVFRed).

Nas espirometrias realizadas antes da HD, observou- se que apenas 12 (36,4%) pacientes apresentaram espirometria normal e 21 (63,6%) pacientes apresentaram algum tipo de anormalidade respiratória. Após sessao de hemodiálise, houve um aumento no número de espirometrias normais, 17 (51,5%) pacientes apresentaram espirometria normal e 16 (48,5%) pacientes apresentaram algum tipo de anormalidade respiratória.

Avaliaçao da Força Muscular Respiratória Os dados obtidos, antes e depois de sessao de HD, para a força muscular respiratória, estao apresentados na Tabela 2. Pode ser observado, na referida figura, que tanto a força muscular inspiratória quanto a força muscular expiratória, avaliadas através da manovacuometria, apresentaram melhora significativa após sessao de hemodiálise.



Avaliaçao Complementar Para melhor visualizaçao, os dados referentes às variáveis bioquímicas, gasometrias arteriais e oximetrias, avaliadas antes e depois de sessao de HD, estao apresentados na Tabela 3. Pode ser observado que nao houve variaçao significativa na saturaçao de oxigênio, tanto quando avaliada através da gasometria, como quando avaliada pela oximetria. A PaCO2, o pH e o HCO3 apresentaram aumento significativo e a PaO2 apresentou reduçao significativa após HD.



Também foi avaliado o hemograma dos pacientes.

Dados deste exame, hematócrito (%) (34,6±1,0) e hemoglobina (g/dL) (11,1±0,3), utilizados para analisar possíveis correlaçoes entre as variáveis, foram avaliados apenas antes da sessao de HD.

Avariaçao do percentual de perda de peso corporal (%) (4,04±0,3) durante sessao de HD também foi utilizada para avaliar possíveis correlaçoes entre as variáveis estudadas. As principais correlaçoes significativas entre as variáveis espirométricas, tempo de tratamento com HD e variaçao percentual de perda de peso corporal durante sessao de HD estao apresentadas na Tabela 4. Salientamse as correlaçoes negativas observadas entre o tempo de hemodiálise e a CVF dos pacientes e, também, a correlaçao negativa entre o tempo de tratamento e a melhora da CVF após a HD.



DISCUSSAO

Avaliando-se as espirometrias obtidas antes da sessao de HD, observou-se uma correlaçao negativa da CVF e VEF1 com o tempo que os pacientes estavam em tratamento hemodialítico, ou seja, quanto maior o período de tempo em que os pacientes estavam fazendo hemodiálise, menores os valores de CVF e VEF1 obtidos pelos mesmos.

Observou-se, também, uma correlaçao negativa entre tempo de tratamento com hemodiálise e variaçao da CVF durante uma sessao deste tratamento. Portanto, além de obterem menores índices de CVF, os pacientes que realizam HD por um período maior de tempo também foram os pacientes que nao melhoraram a CVF após sessao de HD.

Os laudos espirométricos apresentaram mudanças; antes da HD, observou-se que apenas 37% dos pacientes apresentavam espirometria normal e que 63% apresentavam algum tipo de anormalidade respiratória. Dos pacientes com laudo espirométrico alterado, 71% apresentavam padrao respiratório restritivo com maior ou menor grau de comprometimento da funçao pulmonar. Dos dez pacientes que apresentavam um padrao respiratório obstrutivo, oito eram fumantes ou ex-fumantes.

O aumento significativo observado nas variáveis espirométricas após HD foi suficiente para que 15% dos pacientes avaliados normalizassem seu teste de funçao pulmonar e 27% do total de pacientes avaliados apresentassem melhora que se refletiu na alteraçao de seus laudos espirométricos. Após HD, 52% dos pacientes apresentavam espirometria normal e 48%, algum tipo de padrao respiratório anormal.

Observou-se que a melhora ocorreu principalmente nos pacientes com padrao respiratório restritivo. Dos pacientes com DVR leve, 50% normalizaram sua espirometria; os pacientes com DVR moderado e grave melhoraram seu quadro restritivo, passando a apresentar um DVR leve. O paciente com DVR leve e CVF reduzida normalizou a CVF e um paciente com DVC leve antes da HD normalizou seu componente restritivo.

Após a HD, 21% dos pacientes ainda apresentavam padrao respiratório restritivo de grau leve; 21%, algum grau de comprometimento obstrutivo e 6%, distúrbio ventilatório combinado.

A presença de doença pulmonar restritiva em pacientes urêmicos pode ser devido à calcificaçao pulmonar, vasculite, infecçao recorrente, sobrecarga de volume ou edema pleural. Geralmente a capacidade vital nao é acometida, a nao ser que a causa seja sobrecarga de fluidos ou doença cardíaca incipiente19.

Quando ocorre acúmulo de água extravascular no pulmao, esta ocupa primeiramente o tecido intersticial mais periférico e, à medida que o seu volume vai aumentando, estende-se para zonas axiais peri-hilares. O acúmulo de água no período interdialítico relaciona-se com aumento da pressao hidrostática. Isso, associado ao aumento nos valores séricos de substâncias osmoticamente ativas e aumento de permeabilidade, poderá condicionar a retençao de água extravascular pulmonar sem que haja manifestaçoes clínicas ou radiológicas. Essa retençao, no entanto, seria suficiente para modificar a expansibilidade pulmonar e a permeabilidade das vias aéreas de menor calibre. Geralmente, com o tratamento hemodialítico, o edema desaparece rapidamente sem deixar sequelas importantes 2,7,19.

A ocorrência de insultos pulmonares repetidos pela sobrecarga de fluidos pode danificar a parede alvéolocapilar e induzir a uma reduçao na capacidade de difusao sem sintomas óbvios2. É possível que esses repetidos episódios de edema subclínico, que ocorrem no intervalo de cada sessao de HD, possam induzir à fibrose intersticial, justificando os índices mais baixos de CVF e VEF1 em doentes renais em tratamento hemodialítico por um período maior de tempo. Alguns autores têm dado atençao à fibrose pulmonar, como um fator explicativo para o defeito na difusao em pacientes com doença renal crônica, mas isso nao foi verificado histopatologicamente 2,6.

Um estudo realizado por Metry et al.20, utilizando tomografia computadorizada, avaliou as mudanças de fluidos nos pulmoes de dez pacientes em hemodiálise, além de avaliar os volumes e funçao pulmonar por pletismografia.

Os autores observaram que houve aumento significativo da capacidade pulmonar total e capacidade residual funcional após HD. O volume corrente também apresentou melhora, porém este nao foi estatisticamente significativo.

Apesar da melhora dos volumes pulmonares após HD, estes permaneciam abaixo dos valores previstos. Aperda de líquido durante o tratamento era de 2,9 ± 1 litro.

Neste estudo, a hipervolemia pulmonar antes da HD era manifestada por um aumento significativo da densidade pulmonar quando comparada com indivíduos controle; após a diálise, a reduçao na água corporal total era acompanhada por uma diminuiçao na densidade pulmonar.

Os resultados indicaram uma melhora na aeraçao dos pulmoes e ocorreu normalizaçao da densidade pulmonar após HD em seis dos dez pacientes, porém a diminuiçao da densidade pulmonar foi um achado comum em todos os pacientes avaliados. Nao houve correlaçao entre mudanças da densidade pulmonar e grau de diálise. Os autores acreditam que a distribuiçao de água após HD nos compartimentos corporais é diferente de paciente para paciente, e isso poderia ser a explicaçao para diferentes variaçoes da densidade pulmonar em pacientes com a mesma variaçao percentual de peso corporal.

Pode-se observar, através dos dados da gasometria (Tabela 3), que a melhora das variáveis espirométricas nao se refletiu em melhora da oxigenaçao. Após a HD, os pacientes apresentavam aumento significativo nos níveis de HCO3 e pH, o que caracteriza um quadro de alcalose metabólica.

Além do papel de oxigenaçao e eliminaçao de CO2, os pulmoes sao fundamentais para o equilíbrio ácido- básico. Acidos fixos sao produzidos pelo metabolismo tecidual e sao continuamente eliminados pelos rins, sendo que cerca de 40-80mEq de ácidos fixos sao diariamente removidos.

Nas condiçoes em que a habilidade dos rins em manter o equilíbrio foi perdida, os pulmoes compensam o desequilíbrio de forma aguda ou crônica, para preservar um pH em níveis aceitáveis21. Quadros de hipoventilaçao sao descritos quando ocorre formaçao de bicarbonato em pacientes dialisados por acetato, ou resultante de alcalose metabólica intradialítica com altas doses de bicarbonato1.

Essa compensaçao respiratória é claramente observada por aumento significativo nos níveis de PaCO2 e por diminuiçao significativa nos níveis de PaO2 nos pacientes após sessao de HD.

Como se pode observar, o PFE apresentou melhora significativa após sessao de hemodiálise. O PFE apresentou correlaçao significativa com CVF, VEF1, FEF25-75% e com a força muscular respiratória (Tabela 4).

A monitorizaçao sistemática do PEF, através de um protocolo estabelecido e equipamento adequado, poderia, na impossibilidade de se realizar exames como espirometria, volumes pulmonares ou RX, sinalizar alguma alteraçao na funçao pulmonar de doentes renais crônicos em HD, já que a melhora dos índices de PFE associa-se com a melhora das variáveis espirométricas e da força muscular respiratória.

Mudanças no PFE durante a diálise sao provavelmente o reflexo do balanço entre melhora esperada devido à remoçao de fluidos durante a diálise e broncoconstriçao devido a bioincompatibilidade da membrana de diálise5.

Alguns autores mostram um maior aumento no PFE em indivíduos com perdas de líquido maiores que 2kg durante sessao de hemodiálise. No presente estudo, nao se observou correlaçao significativa entre variaçao de peso corporal e aumento nos níveis de PFE. A distribuiçao da água corporal após HD é diferente em cada paciente e isso pode explicar diferentes variaçoes de PFE em pacientes com a mesma perda percentual de peso corporal.

Além disso, o PFE é um parâmetro esforço dependente e pode ser utilizado como um índice da capacidade de tossir, ou indiretamente da força muscular expiratória17,22.

Aumento da força muscular expiratória, como observado no nosso estudo (Tabela 2), juntamente com a perda de líquido nos pulmoes, pode ser responsável por esta importante melhora no PFE dos doentes renais crônicos após HD, já que o mesmo apresentou correlaçao significativa com a PEmáx.

Apesar de os pacientes urêmicos nao apresentarem nenhum sintoma respiratório, os testes de funçao pulmonar, na grande maioria dos pacientes avaliados, apresentavam alteraçao funcional que melhorava após a HD.

Isso demonstra o comprometimento do sistema respiratório que, na maioria das vezes, passa despercebido. Embora essas alteraçoes possam ser de pequena significância clínica para doentes renais crônicos estáveis, elas podem ter importância crítica para pacientes com infecçoes pulmonares, edema pulmonar ou anemia.

CONCLUSOES

Através deste estudo, pode-se constatar que, mesmo sem apresentar sintomas respiratórios, pacientes renais crônicos que realizam HD, na maioria das vezes, apresentam alteraçao na funçao pulmonar que melhora após tratamento com HD. Isso é observado pela melhora das variáveis espirométricas e força muscular respiratória após o procedimento.

REFERENCIAS

1. Barros E, Manfro R.C, Thom FS, Gonçalves LFS. Nefrologia: rotinas, diagnóstico e tratamento. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 1999.

2. Kalender B, Erk M, Pekpak M, Apaydin S, Atman R, Serdengeçti K, et al. The effect of renal transplantation on pulmonary function. Nephron. 2002;90:72-7.

3. Davenport A, Willians AJ. Fall in peak expiratory flow during hemodialysis in patients with chronic renal failure. Thorax.1988;43:693-6.

4. Paul JL, Sall ND, Soni T, Poignet JL, Lindenbaum A, Man NK, et al. Lipid peroxidation abnormalities in hemodialyzed patients. Nephron. 1993;64:106-9.

5. Bush A, Gabriel R. Pulmonary function in chronic renal failure: effects of dialysis and transplantation. Thorax. 1991;46:424-8.

6. Morris PE, Bernard GR. Pulmonary complications of uremia.In: Massry SG, Glassock J, editors. Textbook of nephrology.3. ed. Baltimore: Williams & Wilkins; 1995. p. 1364-7.

7. Alves J, Huespanhol V, Fernandes J, Marques JA. Alteraçoes espirométricas provocadas pela hemodiálise: sua relaçao com a variaçao dos parâmetros vulgarmente utilizados na mediçao da eficácia hemodialítica. Acta Med Port.1989;2:195-8.

8. Chan CHS, Lai CKW, Li PKT, Leung CB, Ho ASS, Lai KN.Effect of renal transplantation on pulmonary function in patients with end-stage renal failure. Am J Nephrol.1996;16:144-8.

9. Winck JC, Ferreira L. Oximetria: papel no estudo do doente respiratório. Rev Port Pneumol. 1998;3:307-13.

10. Azeredo CAC. Fisioterapia respiratória moderna. 4. ed. Sao Paulo: Manole; 2002.

11. Valle PHC, Costa D, Jaman M, Oishi J, Baldissera V.Avaliaçao do treinamento muscular respiratório e do treinamento físico em indivíduos sedentários e em atletas.
Rev Brasil Ativ Fis Saude. 1997;2:27-40.

12. Black LF, Hyatt RE. Maximal respiratory pressures: normal values and relationship to age and sex. Am Rev Res Dis.1969;99:696-702.

13. Black LF, Hyatt RE. Maximal respiratory pressure in generalized muscular disease. Am Rev Res Dis.1971;103:641-50.

14. Camelo JS, Terra Filho J, Manço JC. Pressoes respiratórias máximas em adultos normais. J Pneumol. 1985;11:181-4.

15. Irwin S, Tecklin JS. Fisioterapia Cardiopulmonar. 2. ed. Sao Paulo: Manole; 1994.

16. Pereira CAC, Lemle A, Algranti E, Jansen JM, Nery LE Malloz M, et al. I consenso brasileiro sobre espirometria. J Pneumol.1996;22:105-63.

17. Knudson RJ, Lebowitz MD, Holdberg J, Burrows B. Changes in the normal maximal expiratory flow-volume curve with growth and aging. Am Rev Resp Dis. 1983;127:725-34.

18. Pereira CAC. Espirometria. J Pneumol. 2002;28:1-82.

19. Prezant JD. Effect of uremia and its treatment on pulmonary function. Lung. 1990;168:1-4.

20. Metry G, Wegenius G, Hedenström H, Wikström B, Danielson BG. Computed tomographic measurement of lung density changes in lung water with hemodialysis. Nephron.
1997;75:394-401.

21. Viegas CAA. Gasometria arterial. J Pneumol. 2002;28:233-8.

22. Karacan Ö, Tutal E, Çolak T, Sezer S, Eyüboglu FÖ, Haberal M. Pulmonary function in renal transplant recipients and endstage renal disease patients undergoing maintence dialysis.Transplant. Proc. 2006;38:396-400.


1Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente da Universidade de Cruz Alta - RS, Brasil; 2Médico Doutor, Professor Titular,
Departamento de Medicina Interna, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Serviço de Pneumologia,
Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS, Brasil; 3Médico Doutor, Professor Auxiliar de Ensino do Departamento de Medicina Interna
da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Chefe do Serviço de Nefrologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS, Brasil;
4Bióloga, Doutora Professora Adjunta - Departamento de Fisiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Porto Alegre - RS,
Brasil.
Dados parciais da Dissertaçao de Mestrado de Patrícia Dall'Agnol Bianchi. Título: Avaliaçao da Funçao Pulmonar e Estresse Oxidativo
em Pacientes com Insuficiência Renal Crônica em Hemodiálise. Agosto de 2003. Programa de Pós-Graduaçao em Ciências Biológicas -
Fisiologia, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Agências de Fomento: CNPq, FIPE/HCPA.

Endereço para correspondência:
Patrícia Dall'Agnol Bianchi
Rua: Barao do Rio Branco 1.485/1.003.
Cruz Alta, RS, Brasil
CEP: 98005 - 030


© 2019 All rights reserved